quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O Novo Mundo (parte 1)

Em algum lugar, no final do século XVIII....

-Opa, malas prontas, pra onde vai?
-Vou pro Novo Mundo
-Novo Mundo? Onde fica isso?
-Por aí. Você sabe, pega um barco aqui, atravessa um oceano acolá, chegou.
-E o que você vai fazer lá?
-Aproveitar as riquezas naturais sabe. Tô cansado dessa vida moderna. Muito stress, gueras, malária, sífilis, peste, sabe... não dá mais.
-Mas e o lance do progresso e da iluminação e tals cara? e a razão? A gente chegou no ápice da civilização. Depois do trem e das máquinas a vapor, o que mais a gente poderia inventar? Você vai abandonar todo esse luxo?
-Sei lá cara, ás vezes eu acho que a verdadeira vibe tá nesse lance natural, saca? Fazer umas trilhas, rafting, mergulhar num recife de corais. Eu sinto como se as pessoas estivessem perdendo essa ligação com o mundo, e mesmo entre elas mesmas. A gente vive pra quê? Pra trabalhar e ficar cansado e depois descansar pra trabalhar.
-Não é assim também meu. As coisas vão melhorar, no futuro quem sabe exisitirão dias em que a gente trabalhe só 12 horas por dia, e tenha quem sabe dias de folga no ano, ou até mesmo um dia de folga fixo por semana!
-Você sonha alto demais. Essas mobilizações sociais nunca trazem resultados. No máximo uma galera é presa, todo mundo é punido e fica por isso mesmo.
-Não seja tão pessimista.
-Pessimista é ficar aqui vendo todo esse caos. Aposto que se algum dia todas as mudanças que você quer que acontecessem as pessoas usariam seu tempo livre pra fecharem-se em seus mundos, sem contato com o resto, como se fossem escravos de sua própria privacidade e intimidade, aversos a tudo que é coletivo. O homem se acha tão esperto e auto-suficiente que algum dia tudo isso vai se voltar contra ele. A natureza, o progresso, o individualismo. E aí então ele vai perceber que ele não faz sentido sozinho, e que precisa dessas ligações, mas vai ser tarde demais.
-Caraca velho, falei numa boa. Não precisa fazer todo esse lance apocalíptico não. Você quer ir pro Novo Mundo curtir, vai lá mano. Mas te aviso que não vai funcionar.
-Por quê?
-Porque aqui ou lá, ontem, hoje ou amanhã, mundo é mundo em qualquer lugar.

continua...

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Apologia ao chá-verde

-Que é isso?
-Chá verde com mostarda, pimenta e brócolis.
-Eca, parece horrível.
-Não é muito gostoso mesmo.
-Então por que você toma?
-Pra acelerar meu metabolismo e fazer meu corpo gastar mais calorias diárias, acelerando meu processo de emagrecimento. Essa mistura combinada a fortalecimento muscular vai me deixar magérrima.
-Que paranóia! Você já é magra, por que você quer ficar ainda mais?
-pra ser bonita.
-ser bonita é ser magra?
-claro que é, você não sabia que modelo tem um peso mínimo?
-mas você quer ser modelo então?
-não
-então não entendi, pra que ser igual a uma modelo se você não quer ser modelo?
-Eu só quero parecer uma modelo, entendeu?
-Ah, agora sim. Você quer se parecer com aquilo que você não é?
-Não é assim também.
-Então é como?
-Só quero que as pessoas gostem mais de mim.
-As pessoas não gostam de você?
-gostam, mas quero que gostem mais e pra isso elas têm que gostar da minha aparência.
-Tem que gostar do que você parece, mas não do que você é?
-Elas podem gostar do que eu sou também.
-E o que você é?
-Não sei direito. O que você acha?
-Eu acho que você é alguém que quer parecer modelo mas não é, e toma chá verde com mostarda, pimenta e brócolis mas não gosta.
-Isso não soa muito legal. E você, o que é?
-Sou um adolescente que vive numa sociedade em que os termos da modernidade estão radicalizados, e isso somado a globalização que ao levar para todos os cantos culturas hegemônicas em detrimentos de culturas locais provoca uma crise de identidade, confusão de valores e referenciais que me faz perder o norte do auto-conhecimento e não saber qual minha função social nem quem eu sou.
-Onde você aprendeu tudo isso?
-Encontrei um livreto de sociologia jogado no chão da academia e estava escrito isso na contra-capa.
-Você faz academia?
-Claro que faço! Faço academia, pilates e boxe, faço refeições com poucos carboidratos e quando me dá fome só bebo água, tudo pra ser mais bonito, igual aos modelos, e as pessoas gostarem mais de mim.
-Que legal! Quer tomar um chá-verde com mostarda, pimenta e brócolis comigo?
-Ah não, isso é coisa de paranóico.